Embu Geomembrana

Geossintéticos no Controle de Erosão

Erosão é um processo natural causado pela ação da água e do vento. O processo erosivo é influenciado por fatores tais como tipo de solo, cobertura vegetal e topografia. Além disso, sua ação poderá ser acelerada por diversas atividades de ocupação e uso do solo. Processos erosivos fora de controle poderão ocasionar grandes perturbações a estruturas já existentes e ao próprio meio-ambiente.

Geossintéticos podem ser empregados no controle de processos erosivos em casos como/em:

• Proteção de taludes;
• Canais;
• Valas de drenagem;
• Vias navegáveis;
• Proteção costeira;
• Recuperação de áreas degradadas;
• Reflorestamento;
• Proteção contra ravinamento;
• Barreiras contra queda de blocos de rocha;
• Molhes;
• Represas, diques, etc.;
• Aterros.

Dependendo das características do projeto e do local, uma obra de controle de erosão poderá envolver o uso de um ou mais geossintéticos, tais como geotêxteis, geomantas, georredes, geogrelhas, etc. Alguns exemplos de aplicações de geossintéticos no controle de processos erosivos são apresentados a seguir.

O trabalho de proteção de um talude pode requerer a aplicação de geossintéticos, solo grampeado, tirantes ou algum tipo de ancoragem para garantir a sua estabilidade. Em alguns casos, a estabilidade do talude poderá ser obtida pela cobertura parcial de sua face com uma “bolsa” de geotêxtil preenchido com argamassa. A cobertura vegetal complementar da face do talude garantirá sua proteção contra perda de solo ocasionado pela ação da água e do vento. Vegetação e mantas de geossintéticos também podem ser combinadas para proteger taludes íngremes reforçados contra a ação de processos erosivos.

Controle de erosão em canais
Combinações de blocos de concreto ou poliméricos e geossintéticos podem ser empregadas para a proteção de canais, margens de rios e orlas marítimas.